Ajude a fazer com que o trabalho doméstico não seja
considerado essencial durante a pandemia!



Pressione o Procurador-Geral do MPT

Who will you press? (1 target)
já pressionaram
Em meio à pandemia, já são muitos estados adotando medidas cada vez mais restritivas de isolamento social e mantendo ativos apenas serviços essenciais, como mercados e bancos. Mas e se a gente te dissesse quem alguns governadores decidiram que o trabalho doméstico é um desses serviços?

É isso mesmo: os governos do Ceará, do Maranhão e do Rio Grande do Sul incluíram o trabalho doméstico como atividade essencial!

Isso significa que, durante o isolamento social, milhares de empregadas(os) domésticas(os) precisarão deixar de suas casas todos os dias para trabalhar na residência dos seus empregadores. Na prática, a vida de milhões de trabalhadores - em sua maioria mulheres negras - e das suas famílias estarão em grande risco. Precisamos agir antes que outros estados adotem a mesma medida!

O Ministério Público do Trabalho já declarou que é obrigatório garantir que trabalhadores domésticos sejam dispensados - a não ser em casos de real necessidade, como cuidadores de idosos e de pessoas com deficiência. Agora, vamos pressionar o Procurador Geral do MPT por uma interferência nos estados que decretarem o trabalho doméstico como serviço essencial.

Estamos em uma corrida contra o tempo: precisamos encher o Procurador Geral do MPT, Alberto Balazeiro, de emails de pressão de milhares de pessoas exigindo que as medidas sejam revertidas imediatamente!

Envie seu recado agora, antes que essas famílias sejam postas em risco! #CuidaDeQuemTeCuida





A Lei Federal 13.979/2020
que dispõe sobre as medidas para enfrentamento do coronavírus não inclui os serviços domésticos como atividade essencial.
A Nota Técnica 4/2020
do Ministério Público do Trabalho coloca como uma diretriz a dispensa remunerada para pessoas que realizam trabalho doméstico.
O Ministério Público do Trabalho
diz que devem continuar ativos apenas serviços absolutamente indispensáveis, como cuidadores de idosos.






95%
do trabalho doméstico é feito por mulheres - em sua maioria pobres, de baixa escolaridade, moradoras de áreas periféricas e usuárias de transporte coletivo.
63%
dessas mulheres
são negras.
50%
são as únicas responsáveis pela manutenção de famílias.
ESSA CAMPANHA É ASSINADA POR:




E mais: Caliandra - Coletivo de Mulheres do Cerrado de Goiás; Casa de Referência mulheres Mirabal; CMP Central de Movimentos Populares; Coletivo Feminista Helen Keller; EQUIP - Escola de Formação Quilombo dos Palmares; Instituto Soma Brasil; Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas; Movimento de Mulheres Olga Benário; Coletivo de Mulheres do Calafate(BA); Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma Política; Rede Feminista de Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos; Deputada Federal Erika Kokay; Deputada Federal Maria do Rosário; Deputada Federal Perpétua Almeida; Deputada Federal Professora Marcivania; Deputado Federal Carlos Veras, Deputada Distrital Arlete Sampaio(DF), Deputada Federal Marília Arraes.